Referência Teorica 3

Para ampliar as fotos, clique em cima da mesma. Todas as fotos têm Copyright ©. Se precisar de uma delas entre em contato através do e-mail: pedrachave@eba.ufrj.br .

Além dos arcos curvilíneos que produzem estabilidade, há uma família de arcos, que também produzem equilíbrio, mas de aspecto retilíneo, muitas vezes , de tão perfeitos são confundidos com sobrevergas retas.
A decupagem em dintel fracionado portanto, pode proporcionar ao vão um aspecto plástico diferente, de aparência semelhante ao dintel monolítico.


1- Arco de dintel fracionado




O dintel fracionado acima, embora ligeiramente curvilíneo comporta-se como se retilíneo fosse. Na mesma foto o óculo, com partições exatas e iguais de 30º cada uma, demonstra o requinte estereotômico das peças que o compõem.


Imagens de arcos fracionados, sustentando uma magnífica parede assentada de maneira regular, com as juntas centralizadas (modelo 1 na pasta Teoria 1):





A foto abaixo, tirada no Centro Cultural da Marinha do Brasil, mostra uma abobadilha (submersa), cuja face exterior congrega as técnicas do dintel fracionado e o sistema pentagonal retilíneo. Uma obra prima de execução e perfeição estereotômica.




2- Arco de dintel em sistema pentagonal retilíneo:


Com acabamento interior em abobadilha cilíndrica, o mesmo sistema pentagonal, semelhante ao desenho. Esta curvatura, no caso é apenas um detalhe; o importante é a amostra do sistema pentagonal, absolutamente válido.


Abaixo, ilustração animada sobre a montagem de um sistema monta-cavalo, no qual algumas pedras apoiam-se duplamente em outras.

4- Sistema decupado com juntas externas falsamente verticais:

A maravilhosa solução para que, embora as juntas externas sejam verticais, o sistema de sustentação ocorra internamente tornando possível o milagre da sustentação através das juntas verticais, dando algumas vezes a ilusão que possam “escorregar” para baixo.

Já a direita, o mesmo sistema aplicado em um muro curvilíneo.


5- Sistema decupado em dintéis fracionados com capialçados:


Denomina-se “capialço” ou capialçado quando a um vão exterior menor, se faz corresponder um vão de maior em dimensões internamente. Este artificio foi muito utilizado, tanto nas arquiteturas militares quanto nas religiosas e na foto acima, através do vão da porta se pode notar o chanfro do capialçado (ver item 6, abaixo).


6- Estereotomia de um vão curvilíneo em arco pleno com capialçado:


Na foto acima, a decupagem do interessantíssimo capialço no qual uma superfície cônica transfere (em fantástico acabamento), do exterior em arco pleno para um arco abatido, já na área interna calçada. Esta é uma obra genial de projeto e um primor de execução.

Já abaixo, o aspecto do interior com capialçado, do vão da porta da Capela de São Pedro dos Rates do Castelo da Torre de Garcia D’Ávila, na Bahia: